18 de setembro de 2017

[Notícia] Trecho de Aranhas Moto Clube


Boa noite queridos, hoje trago um trecho do segundo livro, da Série Mulheres no Poder, Aranhas Moto Clube da linda e parceira do Blog Mari Sales.
Espero que gostem desse trecho, os dois livros estão disponiveis na Amazon
1) Selvagem Moto Clube (Link) (Resenha)
2) Aranhas Moto Clube (Link)

Victor
Rachel testava todos os meus limites e minhas vontades. Se não fosse minha obsessão em ser
o objeto de desejo dessa advogada feita de aço, já teria a feito engolir suas palavras com a
ajuda do meu pau. Por menos, inclusive, já havia torturado um membro do Aranhas.
No aeroporto, vindo em minha direção, com aquela roupa formal e pose profissional, só queria
ter um quarto e algumas horas para me perder em seu corpo. Contentei-me com um beijo na
boca e percebi que nossa aproximação não seria tão fácil como queria. Ela parecia um cavalo
arisco, lutando contra ser domado.
Essa mulher queria o modo difícil, então, que assim fosse.
Quando tentei ser o mais cavalheiro que me lembrava ser, tocando sua mão e beijando seu
dorso, nunca imaginei que seria rejeitado sem nem um pingo de cordialidade.
“Vai começar a ficar patético essa sua insistência em ter afinidade comigo. Eu não quero.”
Ah, mulher teimosa. Estava lutando contra nossa atração e por mais que ela fosse uma mulher
moderna, não entendia o motivo de não tentar estar comigo. Sabia que meu lado obscuro era
repulsivo, mas... me definia a ponto de não querer se envolver?
Depois que a abandonei a sua própria sorte com Clin, não antes de deixar claro a ele, com meu
olhar, que não deveria tocar em Rachel, fui para o apartamento de Tom, onde sabia que Denny
estaria. Precisava avisá-lo que sua salvadora havia chegado.
Sem bater, entro com minha chave mestra e encontro os dois discutindo.
— ... sou seu amigo, seu irmão, porra! — Tom se exalta e vejo Denny me encarar com raiva.
Ambos estavam de pé no centro da sala. Apesar do meu irmão não fazer parte do Moto Clube,
sua amizade com Tom começou antes de recrutá-lo. Enquanto Tom não teve opção, a não ser
se sujeitar as minhas regras, Denny tem e está almejando a pior escolha.
— A vadia da advogada chegou? — Descontando sua ira em mim, pego meu irmão pelo
pescoço e aperto, apenas o suficiente para ele tentar sair do meu aperto. Rachel poderia estar
se comportando como vadia, mas ninguém poderia proferir essas palavras em voz alta, nem
mesmo meu irmão.
Tom sabia que meu descontrole era apenas para mostrar quem mandava nesse lugar e
observou nossa interação sem fazer nada.
— Controle suas emoções e sua boca. Rachel está aqui para salvar sua pele. Ela é a melhor no
que faz. — Solto meu aperto e encaro Tom, como cumprimento.
— Todo nervosinho por causa de uma boceta? Ela é tão boa assim? — Denny testa meus
limites como minha mulher teimosa e percebo um padrão se formando. Foi-se o garoto
assustado da semana passada que foi raptado e agora existe um homem audacioso e que não
sabe seu lugar no Moto Clube.
— O que eu e Rachel temos não te interessa! Qual é seu problema? — Jogo minhas mãos para
o alto em frustração.
— Eu escutei você falar com essa mulher. Desde quando o poderoso Victor Aranha se importa
com alguém a não ser seu próprio pau? Você não me quer derrotado por uma mulher, digo o
mesmo para você!
Apesar de querer quebrar alguns ossos, decido ignorar as provocações e não esboço nenhum
sentimento pelas suas palavras. Essa discussão não levará a nada e precisa ser encerrada. Ele
estava alterado por não saber como Vanessa está e agora entendia seus sentimentos, o
quanto seu humor se alterava por causa de sua mulher.
— Estarei no meu escritório. Depois do almoço, se encontre com Rachel e seja o bom garoto.
— Bato com a palma da minha mão no seu rosto duas vezes e saio de lá ao som de
xingamentos.
Sei que Tom colocará ele na linha e o fará respeitar minha mulher, porque todos nesse Moto
Clube sabem que ninguém mexe no que é meu.
Share:

2 comentários: